Cerimônia de premiação reunirá finalistas, membros do júri e integrantes da diretoria da Anamatra e será transmitida pelas redes sociais da Anamatra

Acontece hoje, às 17 horas, com transmissão pelas redes sociais da Anamatra YoutubeFacebook e Instagrama cerimônia de revelação dos vencedores da 9ª edição do Prêmio Anamatra de Direitos Humanos.

Observando as regras de distanciamento social do período da pandemia, o evento contará com a participação telepresencial dos  membros do júri qualificado e dos finalistas e indicados à menção honrosa. A presidente da Anamatra, Noemia Porto, e o diretor de Cidadania e Direitos Humanos, Marcus Barberino, conduzirão a cerimônia diretamente da sede da entidade, em Brasília (DF), juntamente com o vice-presidente da entidade, Luiz Colussi.

Com o tema “Direitos Humanos no Mundo do Trabalho”, a 9ª edição do Prêmio distribuirá um total de R$ 60 mil nas categorias Cidadã, Imprensa (subcategorias impresso – jornal, revista ou internet -, rádio, TV e fotografia) e Programa Trabalho, Justiça e Cidadania (TJC).

O objetivo da Anamatra com a iniciativa é valorizar ações concretas de promoção e defesa dos direitos humanos nas relações de trabalho, atinentes à educação para o pleno exercício dos direitos sociais; ao combate a todas as formas de discriminação no mercado de trabalho; à inclusão de deficientes; ao combate ao trabalho infantil, escravo e degradante; à defesa do meio ambiente do trabalho e à defesa e promoção do trabalho decente.

 A cerimônia de premiação, pelo canal da TV Anamatra no Youtube, pode ser acompanhada no link abaixo:

Finalistas 

Conheça os finalistas desta edição:

Categoria Cidadã:

Movimento República de Emaús

Museu da Sulanca – Moda Center Santa Cruz

Categoria Imprensa/subcategoria Mídia Impressa (jornal e revista) ou eletrônica (internet):

Galo de Luta
Jornalista: Paula Rodrigues (UOL)

Doutores da Morte
Jornalista: Nayara Felizardo de Oliveira (The Intercept Brasil)

Categoria Imprensa/subcategoria Fotografia

Coronavírus: funerais exigem adaptação de enlutados e funcionários de cemitérios em tempos de pandemia
Jornalista: Fabio Motta (O Globo)

Economia demora a reagir, e desemprego corrói renda das famílias
Jornalista: Marcos Antonio Ramos Esteves (O Globo)

Categoria Imprensa/subcategoria Televisão

Jornalista: Renato Franco (Rede Minas)

“A nossa bandeira jamais será vermelha”
Jornalista: Pablo Lopez Guelli (CineBrasil TV)

 Categoria Imprensa/subcategoria Rádio

Rotina de risco: A realidade dos profissionais de saúde brasileiros no combate à COVID-19
Jornalista: Grazielle Mendes Soares (Rádio Assembleia)

Exploração de trabalho da população em situação de rua
Jornalista: Leno Falk (Agência Rádio Web)

Categoria Programa Trabalho, Justiça e Cidadania  (trabalho vencedor)

Projeto Asa Branca – Uma homenagem a Gonzaguinha

Trabalho realizado pelas professoras da Educação de Jovens e Adultos na “Escola Municipal Profª Maria Ignez Figueiredo Deluno” na cidade de Sorocaba (SP). Considerando que a maioria dos alunos atendidos na EJA são frutos do trabalho infantil, migrantes da região Nordeste, as professoras utilizaram diversas abordagens pedagógicas atreladas ao contexto do problema. O objetivo foi demonstrar as consequências do trabalho infantil ao longo da vida, bem como resgatar a história de vida de cada participante, em um estudo aprofundado de suas raízes conterrâneas, juntando o triste passado com a esperança de um futuro que a educação é capaz de proporcionar a cada cidadão.

 Menções honrosas:

A Comissão Julgadora do Prêmio também decidiu atribuir menção honrosa a dois trabalhos da categoria imprensa, nas subcategorias televisão e rádio:

Escravidão do Século XXI
Jornalista: Marcelo Magalhães (TV Record)

Não deixe ela tocar em lápis e papel
Jornalista: Herbert Lenin (Rádio CBN/João Pessoa)

Fonte –  Anamatra