Programa TJC

Estudantes de dez escolas da rede municipal de ensino de Vespasiano, na Região Metropolitana de BH, apresentaram na data de ontem (28) peças artísticas no encerramento das atividades do Programa Trabalho, Justiça e Cidadania que teve como tema central “A Relação entre Trabalho Escravo, Trabalho Infantil e Racismo no Brasil”.

A Coordenadora do Programa TJC na 3ª Região, Juíza Ana Maria Espí Cavalcanti, agradeceu a presença de todos os alunos e professores, bem como a parceria com a Secretaria de Educação de Vespasiano, e o fundamental apoio da Arcelor Mital, representada no evento por seu Analista de Sustentabilidade, Anderson Resende.

Para Ana Espí, o programa é de fundamental importância no atual momento em que vivemos em que a Justiça do Trabalho, Ministério Público do Trabalho e o Ministério do Trabalho estão sendo tão atacados.

Agradecendo de forma especial aos professores, Ana Espí, destacou que o papel dos professores no desenvolvimento do Programa foi fundamental. “Sem o envolvimento dos professores esse trabalho não aconteceria”. E finalizou citando o cordel “A Força do Professor” do artista Bráulio Bessa, “Um guerreiro sem espada sem faca, foice ou facão armado só de amor segurando um giz na mão o livro é seu escudo que lhe protege de tudo que possa lhe causar dor por isso eu tenho dito Tenho fé e acredito na força do professor”.

Representando a Amatra3, o Presidente Flânio Antônio Campos Vieira, afirmou que o programa cumpre um importante papel na construção de um futuro cada vez melhor. “Acredito que com o desenvolvimento do Programa a tendência é de que sempre tenhamos cidadãos conscientes”.

Laís de Castro Brant, Secretária Municipal de Educação de Vespasiano, agradeceu a todos que contribuem para a efetivação do TJC e falou sobre a importância do papel dos professores na formação de cidadãos cientes dos seus direitos e deveres tendo em vista os recentes ataques aos educadores. “Não somos favoráveis a políticas partidárias. Nós defendemos a conscientização do cidadão. Esse é o trabalho do educador”.  Além disso, a Secretária defendeu o papel da Justiça do Trabalho.  “A Justiça do Trabalho é a âncora para quando vocês entrarem no mercado de trabalho. Quanto mais uma nação deixa de entender que a Justiça é algo que pode não ocorrer e não passa a ser valorizada, nós enquanto trabalhadores passarem os por uma situação extremamente delicada. O que será de um país onde a Justiça é vista como algo em que não se possa confiar?”.

Cada escola realizou uma apresentação artística visando mostrar todo o conhecimento adquirido ao longo do semestre. Após as apresentações, o júri composto pelos magistrados Cleber Lúcio de Almeida e Samantha da Silva Hassen Borges, pelas Procuradoras do MPT, Luciana Marques Coutinho e Fernanda Brito Pereira, além da Coordenadora do Fórum de Erradicação e Combate ao Trabalho Infantil e Proteção ao Adolescente – FECTIPA/MG, Elvira Cosendey, avaliaram o desempenho dos estudantes.

As escolas vencedoras foram:

1° lugar: “Trabalho Infantil e Racismo” E.M. José Paulo de Barros

2° lugar: “Um Passo para a Liberdade” E.M. Bárbara Maria Salomão

3° lugar: “Relação entre Trabalho Infantil, Trabalho Escravo e Racismo no Brasil” E.M. Senhor do Bonfim.

Encontro Nacional

Ficou estabelecido durante o 13ª edição do Encontro Nacional do Programa Trabalho, Justiça e Cidadania (TJC), realizado em Recife (PE), que em 2019 o tema abordado será em torno do futuro do trabalho digno e a importância da Justiça do Trabalho, além disso, o Rio Grande do Sul ficou foi escolhido como sede que receberá a próxima edição do Encontro Nacional.